Correntes e Engrenagens

Vendas

11 - 3992-3830 vendas@correntesttc.com.br
PRODUTOS INDUSTRIAIS

FABRICAÇÃO E IMPORTAÇÃO

11 3992-3830 - 3976-3708

separação

Correntes

separação

correntes de transmissão

  • correntes standard
  • correntes simples
  • correntes dupla
  • correntes tripla
  • correntes múltiplas carreias
  • emendas de correntes
  • reduções de correntes
  • meio-elo de corrente

correntes de transmissão com adicionais (abas)

  • correntes serie a1 & k1
  • correntes serie aa1 & kk1
  • correntes serie wa1 & wk1
  • correntes serie wa2 & wk2
  • correntes serie sa1 & sk1
  • correntes serie saa1 & skk1
  • correntes serie wsa1 & wsk1
  • correntes serie wsa2 & wsk2

correntes de transmissão com aditamentos diversos

  • correntes com aditamentos serie spr
  • correntes com aditamentos serie rtc
  • correntes serie bs
  • correntes serie gr
  • correntes serie tr
  • correntes serie rt
  • correntes serie ta & tk
  • correntes serie rea & rek
  • correntes serie a1nm & k1nm
  • correntes serie tn
  • correntes serie pe

correntes de transmissão especiais

  • correntes de transmissão especiais serie sb curva
  • correntes de transmissão especiais serie h reforçada
  • correntes de transmissão especiais serie hrf reforçada rolo fixo
  • correntes de transmissão especiais serie hp pinos ocos
  • correntes de transmissão especiais serie bf placas retas
  • correntes de transmissão especiais litograficas
  • correntes de transmissão especiais embaladora

correntes de passo longo

  • correntes de passo longo rolo pequenos pinos sólidos
  • correntes de passo longo rolo grandes pinos sólidos
  • correntes de passo longo rolo pequenos pinos ocos
  • correntes de passo longo rolo grandes pinos ocos
  • correntes de passo longo com adicionais serie a1/k1 & a2/k2
  • correntes de passo longo com adicionais serie sa1/sk1 & sa2/sk2
  • correntes de passo longo especiais serie tkc
  • correntes de passo longo especiais serie vpr

correntes agrícolas

  • correntes agrícolas serie s
  • correntes agrícolas serie ca
  • correntes agrícolas serie hp

correntes maniveladas para maquinário pesado


correntes de peso para empilhadeiras

  • correntes de peso para empilhadeiras al - leve
  • correntes de peso para empilhadeiras bl - pesada

correntes bloco - fábrica de acumuladores


padrão ttc – ansi – asa – din – iso

  • rolo pequenos e pinos sólidos
  • rolo pequenos e pinos ocos
  • rolo pequenos e placas altas
  • rolo grandes e pinos sólidos
  • rolo grandes e pinos ocos
  • rolo grandes e flangeados
  • rolo grandes e placas altas
  • correntes de arraste tipo redler

correntes transportadoras com adicionais (abas)

  • modelo a1 & k1 / a2 & k2 -dobradas
  • modelo sa1 & sk1 / sa2 & sk2 - retas
  • modelo raa & rak / rafa & rafk - rolo apoio lateral
  • modelo tk (rolo transportador aéreo)

correntes transportadoras para elevadores de canecas

  • correntes transportadoras para elevadores de canecas serie sbs
  • correntes transportadoras para elevadores de canecas serie sbr

adicionais para transporte

  • correntes transportadoras para usinas de açúcar e álcool
  • modelo serie eb
  • modelo serie ec
  • modelo serie ma
  • modelo serie wh

correntes para transportador aéreo

  • modelo serie dc (bi-direcional)
  • modelo serie df (tri-direcional)
  • modelo serie x (forjada)

acionamento dog tipo caterpillar


correntes para transportador de gás sm 1200


correntes transportadoras de garrafas

  • modelo serie 815k
  • modelo serie 866k

correntes diversas


corrente transportadora de blocos

  • corrente de arraste tipo forky
  • modelos de arraste
  • correntes especiais placa alta
  • corrente de rolo dupla
  • corrente de rolo simples
  • corrente de rolos
  • corrente de transmissão
  • corrente transportadora
  • corrente transportadora de arraste tipo redler
  • corrente transportadora elevador de canecas
  • correntes conforme desenho
  • correntes de engenharia
  • correntes de transmissão de potência
  • correntes de transmissão mecânica
  • correntes estampadas de aço
  • correntes forjadas
  • correntes industriais
  • correntes industriais em aço inoxidável
  • correntes industriais em aço temperado
  • correntes industriais especiais sob medida
  • correntes para esteiras transportadora de aço
  • correntes para transportadores
  • elos de esteira
  • correntes embaladoras
  • corrente encartuchadora
  • corrente classificadora de ovos
  • corrente transportadora de blister
  • corrente transportadora de frascos
  • correntes para esteiras transportadoras
  • correntes para máquinas heidelberg
  • correntes para máquinas serigráficas
  • correntes para ambientes especiais corrosivo
  • correntes de precisão
  • correntes inox
  • correntes com aditamentos
  • correntes embaladoras
  • corrente encartuchadora
  • acessórios para correntes de transmissão
  • corrente de transmissão
  • corrente industrial
  • corrente para máquinas
  • corrente transportadora leve
  • correntes aditadas ou com aditamentos
  • correntes auto lubrificadas
  • correntes de transmissão de potencia alta performance
  • correntes de transmissão mecânica
  • correntes embaladoras bosch
  • correntes para máquinas da indústria embalagens
  • correntes transportadoras especiais
  • correntes transportadoras industriais
  • correntes transportadoras sob medida
  • saca pino de corrente
  • alicate para corrente
  • fabricantes de correntes industriais
  • fábrica de correntes industriais especiais
  • fabricante de correntes industriais no brasil
  • reforma de correntes transportadoras
separação

Relação de Transmissão

As correntes de transmissão por rolo são largamente empregadas para condições severas detrabalho, onde grandes esforços são necessários. Para a fabricação são empregados aços ligas selecionados para cada elemento que compõe a corrente, considerando suas funções e o campo normal de aplicação.

Para que o trabalho realizado pela corrente seja uniforme, cuidados especiais devem ser tomados, no sentido de garantir a alta qualidade da liga empregada na uniformidade do tratamento térmico.

Em casos incomuns, materiais especiais são empregados como, por exemplo, o Aço inoxidável, onde as temperaturas são elevadas.

Se o seu caso for de correntes especiais, consulte o departamento técnico da TTC.

A relação de transmissão máxima permitida é de 7 :1. Obtém-se a relação de transmissão dividindo-se o número de dentes maior pelo número de dentes da engrenagem menor. Relação de transmissão acima da mencionada não é recomendada em razão da vibração, aumento de tensão, reduzida área de contato com o pinhão. Para tanto recomendamos o desmembramento tornando-o mais viável tecnicamente e economicamente.

Número de Dentes

As correntes de transmissão de rolo em sua maioria tem o número par de passos. Ao utilizar uma engrenagem indicamos uma de número ímpar de dentes, o que resulta distribuição uniforme de desgaste na corrente e roda. Não indicamos o uso de engrenagem com número par de dentes, exceto em necessidades específicas.

Eficiência, durabilidade, ausência de ruídos, fluxo suave e uniforme são algumas das vantagens em uma transmissão por corrente que dependem do número de dentes do pinhão menor.

A razão é que as correntes formam um polígono sobre as engrenagens. Quando a velocidade da engrenagem for constante, a velocidade fica sujeita a uma variação cíclica regular.

Quanto mais próxima ficar de um círculo verdadeiro, menos visível torna a variação cíclica, e por isso torna-se desprezível para a maioria das aplicações em que o número de dentes exceda a 19 dentes.

Distância entre centros das engrenagens

A distância entre os centros dos eixos deve ser maior que a metade da soma do diâmetro das engrenagens para evitar interferências entre os elos e os dentes. As distâncias recomendadas para os centros deve ser de 30 a 50 passos da corrente a ser utilizada.

Alinhamento das transmissões

Para obter melhor desempenho e longevidade da corrente, o perfeito alinhamento é essencial, devendo-se ajustar cuidadosamente seu alinhamento axial e angular dentro dos limites de tolerância.

Determinação de desgaste

Para determinarmos o desgaste de uma corrente, coloca-se a corrente numa mesa plana, fixando uma parte e tracionando a outra.

Após a aplicação do esforço mede-se o comprimento da corrente. Conta-se o número de elos e multiplica-se pelo passo. A diferença encontrada da medida nominal é o desgaste. Como regra geral, a corrente deverá ser trocada quando a porcentagem alcançar 2%.

Lubrificação

Para evitar o desgaste e quebra prematura, é indispensável a correta lubrificação da corrente. Para se obter o máximo rendimento, recomendamos sempre que possível o uso de caixa de proteção contra os efeitos ambientais produzidos por gases, sujeira, umidade, etc...

Manutenção da lubrificação

Tal como na operação de todo equipamento mecânico, a manutenção periódica dos acionamentos, a corrente é essencial para a durabilidade e desempenho, sendo a lubrificação o item mais importante da boa manutenção. Recomendamos abaixo alguns métodos para a boa manutenção :

  1. Lubrificar entre as placas evitando escoriações e engripamento dos componentes.
  2. Lubrificar as superfícies de contato das rodas dentadas.
  3. Dissipar o calor causado pelo atrito.
  4. Remover quaisquer substâncias estranhas ou partículas metálicas de desgaste.
  5. Proteger contra a ferrugem ou a corrosão dos componentes da corrente.
  6. Amortecer o impacto causado pelo efeito chicote dos elos na roda dentada.

Observação; A falta de lubrificação é facilmente constatada pelo exame das placas da corrente. A presença de qualquer descoloração azulada das superfícies metálicas é a evidência mais convincente da falta de lubrificação em alguma ocasião.

A seguir são indicados vários fatores importantes, os quais devem ser considerados para se assegurar que o lubrificante está atingindo todas as partes componentes da corrente.

Efeito vento

A velocidade linear acima de 900 m/min., o vento ou corrente de ar induzida pela corrente em movimento, tende a soprar o óleo para fora da corrente. O vento aumenta tão rapidamente com a velocidade da corrente, que a 1.800 m/min. ele é quatro vezes maior que 900 m/min., o que torna ineficiente o sistema de lubrificação por banho ou gota, sendo necessário em alta velocidade aplicar um fluxo de óleo sob pressão suficiente, para neutralizar o efeito do vento e fazer atingir todas as partes componentes da corrente.

Força centrífuga

A força centrífuga também aumenta rapidamente com a velocidade da corrente, variando na razão do quadrado da velocidade da corrente. Entretanto, se o óleo for aplicado no lado interno da corrente, a força centrífuga pode ser aproveitada com vantagem para forçar o óleo a passar nas partes componentes da corrente.

O lubrificante deve penetrar entre as placas a fim de atingir as partes componentes (pinos, buchas e rolos). Desta forma, um óleo de baixa viscosidade pode ferir entre as placas mais rapidamente do que o óleo de alta viscosidade.

Existe, no entanto um limite mínimo de viscosidade do óleo e a sua capacidade de lubrificação uma vez que o mesmo deve formar uma película de resistência capaz de resistir às cargas entre as partes componentes.

Escolha do lubrificante

Um óleo mineral puro de boa qualidade é considerado satisfatório para a média dos acionamentos da corrente.

As instalações funcionando sob as condições mais severas, são melhores protegidas com um óleo fortificado com inibidor de ferrugem, oxidação e agente anti-espumante. Embora lubrificantes de pressão externa sejam geralmente considerados desnecessários, a experiência tem demonstrado que lubrificantes com características de pressão externa e de oleosidade, como fluido para transmissão automática tipo A, são de grande eficiência para aplicações de alta velocidade e carga elevada.

A proporção que as velocidades, cargas e temperaturas de funcionamento dos acionamentos da corrente continuam aumentando, os aditivos anti-oxidante, anti-corrosão e mesmo tipo de detergentes, se tornarão interessantes e benéficos.

Os óleos de baixa viscosidade que penetram mais facilmente entre as placas da corrente estão entre os preferidos, especialmente nas instalações mais complexas, de alta velocidade, nas quais são usadas caixa de proteção vedadas para evitar a perda de óleo e entrada de matérias estranhas. Como a viscosidade do óleo varia com a temperatura de funcionamento da instalação em particular, se a temperatura de funcionamento de uma corrente for considerada como não superior a cerca de 4º C da temperatura ambiente.

Limpeza das correntes

A limpeza periódica é uma boa praxe, para se obter o máximo em durabilidade e desempenho das correntes e isto aplica-se especialmente onde as correntes ficam expostas a material estranho, e são lubrificadas a mão ou pelo sistema de gota. Em tais instalações a corrente deve ser retirada, mergulhada em um solvente apropriado, escovado e se necessário deixar secar antes de aplicar lubrificante novo.

O óleo nos reservatórios e sistemas circulatórios deve ser trocado com a necessária frequência para assegurar que o mesmo permaneça em boas condições, usualmente uma vez por ano ou tão logo altere a sua cor ou pareça contaminado.

Sempre que o óleo for trocado, o sistema também deverá ser limpo através de atomização, escova ou lavagem com solvente adequado.

Sempre que possível a corrente deverá ser retirada para assegurar melhor limpeza.

Deverá ser evitado fazer funcionar um acionamento de corrente com solvente de limpeza, em vez de lubrificante, especialmente sob velocidade e cargas elevadas, devido ao risco de fogo.

Informações técnicas sobre condições, temperatura e lubrificantes fora das acima discriminadas, consulte o departamento técnico da TTC.

Guia de Serviço

A seguir principais problemas observados no uso das correntes e engrenagens :
Para defeitos de correntes :

Ruídos excessivos

Desalinhamento das rodas dentadas :
Verificar e corrigir o alinhamento.
Afrouxamento ou esticamento excessivo :
Ajustar a distância entre centros ou a posição da roda intermediária.
Lubrificação inadequada :
Lubrificar corretamente. Verificar o mecanismo de lubrificação para assegurar se o óleo está atingindo as partes móveis e a frequência.
Correntes e ou rodas gastas :
Substituir correntes e ou rodas TTC
Tamanho excessivo do passo da corrente :
Consultar a tabela de recomendação para o acionamento. (Gráfico de seleção)

Desgaste dos elos laterais da corrente ou dos lados dos dentes das rodas.

Falta de ajuste das correntes nas rodas :
Retirar a corrente e corrigir o alinhamento das rodas dentadas e eixos.

A corrente encavala nas rodas

Corrente gasta :
Substituir a corrente e as rodas dentadas.
Envolvimento insuficiente da corrente :
Verificar disposição do acionamento para por mais dentes em contato com a corrente ou instalar rodas intermediárias para aumentar o envolvimento.
Corrente frouxa demais :
Ajustar as distâncias dos centros ou da intermediária com tensionador TTC para conseguir o esticamento correto.
Acúmulo de material nos dentes :
Remover o material acumulado, proteger o acionamento contra contaminação de substâncias estranhas ou usar rodas com perfil e passo previsto para este fim.

Pinos, buchas ou rolos partidos.

Velocidade da corrente excessiva :
Usar corrente de passo menor de resistência equivalente ou maior e ou verifique o número de dentes da roda para certificar se está dentro dos limites recomendados para a velocidade. Escolher uma roda com maior número de dentes, se necessário.
Choque severo aplicado repentinamente :
Reduzir as cargas de choque. Partidas suaves prolongam a vida do acionamento.
Material acumulado na raiz dos dentes :
Remover o material acumulado.
Lubrificação inadequada :
Lubrificar corretamente.
Corrosão da roda ou corrente :
Proteger contra a corrosão.
Rodas dentadas mal ajustadas :
Verificar se há desgaste nas rodas e corrigir o diâmetro da raiz.

A corrente adere nas rodas

A aplicação incorreta ou rodas gastas :
Verificar o alinhamento das rodas e dos eixos.
Lubrificantes viscosos ou pegajosos :
Retirar a corrente, se suja ou corroída limpar e lubrificar corretamente.
Acúmulo de material nos dentes da roda :
Proteger a corrente contra a corrosão. Reduzir a sobrecarga. Proteger a corrente com uma caixa protetora. Limpar e lubrificar com mais frequência.

A corrente chicoteia

Corrente frouxa demais :
instalar um esticador TTC apropriado.
Cargas pulsatórias elevadas :
Reduzir a carga onde possível ou substituir corrente por outra mais resistente.
Uma ou mais placas rígidas :
Retirar as placas presas e apertar os pinos para preservar a folga lateral correta das placas.

As correntes ficam rígidas

Desalinhamento :
Verificar o alinhamento das rodas e eixos. Ajustado, substituir a corrente.
Lubrificação inadequada :
Retirar a corrente se suja ou corroída, limpar e lubrificar corretamente.
Corrosão :
Proteger a corrente contra a corrosão.
Sobrecarga excessiva :
Reduzir a sobrecarga.
Acúmulo de material nas placas :
Proteger a corrente com uma caixa protetora, limpar e lubrificar com mais frequência.
Deformação dos elos por pancadas :
Verificar se os elos prendem nas rodas e corrigir.

Os contrapinos soltam-se

Vibração :
Reduzir a vibração.
Obstruções batendo nos contrapinos :
Eliminar as obstruções e ajusta, os contrapinos, ou usar corrente rebitada.
Contrapinos mal instalados :
Corrigir ajustando-os contra as placas.
separação